Get Adobe Flash player

postheadericon Catequese, discipulado e renovação paroquial

No dia 19 de abril de 2009, segundo domingo da Páscoa, deu-se início o Ano Catequético Nacional. Espera-se que não apenas os catequistas se envolvam nas atividades, como também os agentes pastorais e leigos de modo geral. Afinal, trata-se de um ano “catequético” (sobre a catequese) e não “catequístico” (para os catequistas).

Catequese e pastoral orgânica

O objetivo geral do Ano Catequético Nacional é “dar novo impulso à catequese como serviço eclesial e como caminho para o discipulado”. Entre os vários objetivos específicos apresentados pela CNBB, podemos ressaltar a proposta de estimular a dimensão catequética nas comunidades na perspectiva da pastoral de conjunto. Ou seja, é preciso conscientizar as pessoas de que a catequese é uma dimensão de toda a ação evangelizadora da Igreja e não somente da Pastoral Catequética.

De fato, a catequese, ação evangelizadora fundamental para a renovação e formação das comunidades eclesiais, ganharia forte impulso se fosse realmente assumida por todas as dimensões e pastorais. O trabalho é ainda bastante desarticulado, pois continuamos centrados na formação apenas de crianças e adolescentes em fase de preparação para os primeiros sacramentos. Observa-se, até mesmo entre os catequistas de base e coordenadores, certo espanto quando se ouve falar da necessidade de alargar cada vez mais a ação catequética, talvez por temor à possível sobrecarga de trabalho. Na verdade, poucos fazem o trabalho de todos. Se não agregarmos mais pessoas no mesmo objetivo, pouco faremos diante do muito que podemos e devemos fazer.

Catequese com adultos

Outro objetivo específico do Ano Catequético, a catequese com adultos deve receber novo impulso em nossas comunidades. A questão ganhou maior espaço no Brasil sobretudo a partir da 2ª Semana Brasileira de Catequese, em 2001. De lá pra cá, muito se tem falado sobre a necessidade de marcarmos maior presença no mundo dos adultos. Porém, a questão continua, grosso modo, no mundo das idéias. É certo que várias iniciativas paroquiais se voltam para a formação dos adultos, mas uma catequese orgânica, com linguagem e metodologia próprias para a realidade dos nossos adultos, é ainda um sonho a se realizar em nossas comunidades eclesiais.

O caderno de formação de catequistas “Vinde e Vede 5” trata desta questão. É oportuno que padres e agentes pastorais estudem o texto. Ali encontramos vários elementos que nos ajudam a compreender a complexidade e urgência da catequese com adultos. Os nossos atuais catequistas, sozinhos, não serão capazes de implementar uma ação catequética eficaz com os adultos. Afinal, é tarefa de todos promover a evangelização e formação do povo de Deus. A catequese com adultos é, sim, o primeiro passo a ser dado no processo de renovação das estruturas paroquiais, como nos pede o Documento de Aparecida que, por sinal, tem forte apelo catequético.

Catequese e catecumenato

Incentivar a catequese de inspiração catecumenal é outro objetivo do Ano Catequético. A meu ver, aqui estamos diante de uma questão crucial. O tema do Ano Catequético – Catequese, caminho para o discipulado – se conjuga com o tema da iniciação cristã. Fazer da catequese uma atividade querigmática e evangelizadora é algo imprescindível nos tempos atuais. Saímos, definitivamente, da Cristandade e estamos, cada vez mais, imersos em uma cultura hostil à experiência religiosa, em muitos sentidos parecida com o contexto em que viveram Jesus e seus primeiros discípulos.

A catequese deve preparar a pessoa para a vida de fé na comunidade eclesial. A experiência do encontro pessoal e profundo com Jesus Cristo, na escuta da Palavra e ao partir o Pão, deve ser considerada o principal e primeiro fruto da ação catequética. Somente assim ela pode iniciar a pessoa na vida de fé.

O RICA – Ritual para a Iniciação Cristã de Adultos – é para muitos uma proposta distante e desconhecida. Resgatar o catecumenato, numa modalidade adequada aos tempos atuais, é a grande exigência do momento e, certamente, a chave para abrir decisivamente o processo de renovação das estruturas paroquiais. A transformação da paróquia tem como ponto de partida a renovação de cada coração, de cada pessoa.

Catequese e catequistas

Toda a comunidade eclesial é responsável pela catequese, mas alguns são mais facilmente identificados como catequistas em função do papel que desempenham. Não poderíamos, pois, omitir a necessidade de intensificar a formação dos catequistas. Trata-se de outro objetivo do Ano. Junto com os catequistas, devemos pensar também na formação dos agentes leigos, dos religiosos e religiosas e dos ministros ordenados. Tal formação deve ser “catequética”, ou seja, uma formação voltada para o ministério da Palavra e da Evangelização.

Cresce entre o nós a opinião de que o ministério do catequista deva ser reconhecido e instituído pela Igreja. A questão merece atenção. Com vantagens e desvantagens, a instituição do ministério do catequista pode corrigir vários vícios na prática catequética, como o da rotatividade dos catequistas, além de valorizar, ainda mais, o trabalho abnegado de tantos catequistas que, em muitos casos, dedicam boas horas semanais preparando crianças, jovens e adultos para a vida de comunhão com Deus e com os irmãos. O quarto capítulo do Caderno Vinde e Vede 5 aborda a questão. Vale a pena conferir.

postheadericon Formação Pequena Via

postheadericon Formação Shalom

postheadericon Formação Canção Nova

Enquete
Como você avalia o novo site da Pequena Via?